domingo, 8 de novembro de 2009

Inocência



Ao nosso redor há ilusões que deveremos destruí-las o quanto antes. É preciso compreender a realidade a cada momento.

A vida é repleta de mudanças. Quando menos esperamos, ela se movimenta, abrindo espaço para o novo. Surgem novas situações, dificuldades e oportunidades...
E o que fazer com tudo isso? Como agir?

Devemos deixar nossos sentimentos negativos de lado e celebrar em harmonia com o mundo que está ao nosso redor. A solução é trabalharmos com o que nos é oferecido. Não há possibilidades de voltar o passado, ele já não existe mais, já se foi.

A vida nunca nos deixará sem uma aventura. Não existe um ponto final, é como uma contínua viagem... Nunca saberemos o fim, portanto não existem certezas, apenas mudanças.

Quando vivemos um novo momento, os questionamentos que aparecem em nossa mente podem nos atrapalhar, pois tendemos a solucioná-los com experiências já vividas. Corremos o risco de entrarmos em confusões mentais que abalam nossas emoções.

As experiências vividas nos tiram a inocência, mas precisamos buscá-la novamente, só que agora, deixando a infantilidade de lado.

Com a inocência nos norteamos e o sol volta a brilhar.

sábado, 31 de outubro de 2009

Água fria



Conectado com a busca, o aprendizado chega. Pode demorar uma fração de segundos, a vida toda ou até mesmo a eternidade. Este tempo é relativo com a força de nossa conexão na Energia Cósmica. Quem só pensa no próprio umbigo e vive olhando para o chão está desplugado da conexão. O negócio é começar com peito estufado, nariz empinado e um belo sorriso no rosto.

Pensar em tudo o tempo todo, ou “fritar a cabeça” como eu costumo dizer, é o mesmo que cair em uma areia movediça - há o perigo de nos afundarmos com a agitação. É preciso levar a vida terrena com calma e leveza.

Percebi que viver utilizando a mente apenas quando convém pode ser uma grande conquista. Desta forma é muito mais fácil de escutar nosso coração, entender melhor nossos sentimentos, encontrar paz e nos amarmos.

Neste processo a simplicidade é fundamental, pois é ela que nos leva à calma e à leveza. A mente nos complica o tempo todo, basta colocarmos no papel tudo o que passa em nossa cabeça para termos certeza de que ela é totalmente desregulada. É assustador! Todas as informações que nossos sentidos absorvem aparecem de forma desconexa e acabam deixando nossa vida com vários obstáculos no caminho: “cuidado", "é perigoso", "tem coragem?", "assim é o certo", "aquilo é errado", "bonito", "feio"... Esses julgamentos são aterrorizantes e o medo criado inibe nosso desenvolvimento. Como a mente desregulada não pára de julgar, pensamos que ocorre o mesmo com os outros e nos tornamos pessoas inibidas e complicadas.

A partir de agora criei o botão ON/OFF na minha mente. Procurarei usá-la apenas quando for conveniente. Nos momentos em que o botão estiver na posição OFF, irei aproveitar mais a minha respiração, observar melhor as informações que meus sentidos passam, afiar a minha intuição e, principalmente, não julgar. Aliás, não havia um mestre que dizia: “não julgar para não ser julgado”? Acho que ele já conhecia o tal botão ON/OFF naquele tempo!



domingo, 11 de outubro de 2009

O Vôo do Corvo


Eu crio a realidade, pois a vida é um sonho lúcido. Escolho e controlo meus desejos, pois o tempo todo é momento de colheita. O universo está comigo assim como eu estou com ele.

As coisas simplesmente acontecem. Ficar estressado é uma ilusão do ego. A ação diária é importante, mas as metas não. As metas são neuróticas, egóicas.

Na medida em que a ação diária flui, as coisas acontecem. Há colheita o tempo todo.

Constantemente trabalho minha intuição, há uma voz interior que me dá todas as respostas. Procuro sintonizar minhas ações com esta voz interior.

Dentro deste sonho lúcido procuro aventurar-me, indo para onde a voz interior me guiar. Em silêncio medito e oriento-me, em silêncio encontro paz.

Pois sabem como é: filho de Deus, Deusinho é.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

domingo, 12 de julho de 2009

Contato com a Rainha

O senso comum costuma dizer que a esperança é a ultima que morre. Pode até ser verdade para a maioria das pessoas, porém atrás desta frase há algo a mais... Quando só resta a esperança, é sinal de que já estamos mortos, vivendo como derrotados, como se a batalha já estivesse perdida. Pensando desta forma nada surgirá de novo e o máximo que pode acontecer é esperar que sejamos aniquilados. É isso mesmo! Se vivermos apenas com a esperança, estamos perdidos, dificilmente alcançaremos nossos objetivos e nossos desejos. Quando a esperança é a única coisa que nos resta, deixamos nossas forças irem embora e sem força, não há luta, não há conquista.

O interessante é aprendermos a controlar nossos desejos. Quando controlamos nossos desejos, tudo acontece. Porém, não trabalharei este assunto agora, quem tiver curiosidade a respeito, consulte o Mago Papus. Ele aborda este assunto muito bem.

Antes de conseguirmos atingir o ensinamento de aprender a controlar nossos desejos, precisamos aprender a lição anterior, que se encontra um degrau abaixo. Trata-se da "Fé". Acreditar é a lição do momento. Precisamos acreditar em nós mesmos, em nossos potenciais, em nosso poder criativo, em nossa capacidade. É a partir daí que as coisas começam a mudar para melhor.

Só podemos trabalhar a força que o degrau da "Fé" nos proporciona depois de resolvermos o degrau anterior, do “Objetivo”. É muito importante refletir a respeito de nossos objetivos, sobre o que desejamos e qual a nossa missão aqui no Planeta Azul. A partir do momento em que descobrimos nosso objetivo na vida, as coisas começam a acontecer.

Como todo terráqueo, também já tive meus momentos de dificuldades, que foram superados pela "Fé". Já havia descoberto meu objetivo, porém as coisas continuavam difíceis para caminhar. Quando vivenciamos esta difícil fase, devemos estar completamente atentos ao nosso redor, pois o universo caminha conosco e não ao contrário. Não devemos deixar passar nenhuma oportunidade, qualquer coisa que esteja ligado ao nosso objetivo, devemos agarrar com unhas e dentes. É a partir de experiências que chegamos ao aprendizado, e conseqüentemente, a nossas conquistas.

Muitas coisas podem acontecer em sonhos, e nesta ocasião, comigo não foi diferente. A Rainha fez um contato direto comigo, chegou flutuando em um dia chuvoso, rodeada por rosas. Veio até mim, e sem que eu perguntasse algo, disse-me para ter calma, que dentro de pouco tempo algo iria mudar em minha vida... E mudou!

Não contarei detalhadamente o contato, pois é algo pessoal, mas o que tenho pra falar é que com "Fé", as coisas acontecem.
Quando acreditamos, os sonhos se tornam realidade.
Luz!

quarta-feira, 8 de julho de 2009

A gruta da Grande Mãe

É fato que muitas doenças surgem por meio de nossos pensamentos, afinal de contas, diariamente absorvemos uma enxurrada de informações negativas mesmo quando não desejamos, pois nossos sentidos ficam constantemente “ligados”. As poluições visuais e sonoras contribuem muito. Em toda parte temos contato com violências e maldades através de jornais, revistas e canais de televisão. É freqüente encontrarmos pessoas com depressão, TOC, síndrome do pânico e uma série de outras enfermidades que não havia em tanta quantidade nos séculos passados. A ansiedade, a angústia e a insegurança também estão presentes em jovens que perderam a coragem de viver a vida como uma grande aventura, pois a sociedade está doente, ocorrendo assim um ciclo vicioso doentio: indivíduos doentes formam uma sociedade doente, que por sua vez, forma indivíduos doentes.

Cabe a cada indivíduo buscar a melhora para sua vida e conseqüentemente contribuir para uma sociedade mais elevada. Meditações, visualizações e busca por sentimentos saudáveis são exercícios muito interessantes para serem realizados antes do sono. Feitos com disciplina, cotidianamente, obtemos efeitos maravilhosos e conseguimos fugir do ciclo vicioso doentio.

Ao realizarmos meditações, deixamos a mente fluir naturalmente sem preocupações e quase sempre podemos passar por alguma experiência de sonho lúcido, regressão a vidas passadas ou até mesmo viagens astrais. Quanto mais praticamos, maiores e melhores serão os resultados.

Certa vez, me exercitando com estas práticas, deparei-me em uma praia. O dia era ensolarado e eu seguia em uma direção, não me encontrava “curtindo o dia”, mas estava em busca de algo.

Atravessei uma vila que beirava a praia junto com algumas pessoas. Logo após a passagem pela vila, o tempo fechou. Começamos a descer um morro por um caminho muito estreito e, neste momento, tínhamos que andar em fila indiana. A caminhada era cansativa, mas no fundo eu sabia que iria valer à pena e continuava sem reclamar. Chegamos a outra praia lotada de pessoas, a areia era fofa e o calor era insuportável. Tudo indicava que eu teria que caminhar pela paia toda, e lá fui eu! Ao chegar ao final da praia, entrei no mar e aí, novamente o tempo ficou nublado, o mar estava revolto. Segui em direção à linha do horizonte e, em alguns momentos, a dificuldade era grande, mas eu não desistia, sabia que iria encontrar algo, era como se eu estivesse hipnotizado. As ondas chegavam sem parar e em alguns momentos ficava em baixo d’água, coberto inteiramente. Em outros, o mar estava raso e eu podia caminhar a pé. Foi com uma onda muito grande que aconteceu... Fui lançado inesperadamente para baixo e levado para um lugar ligeiramente escuro... Era uma gruta!

Encontrei-me completamente só, mas não me assustei, sentia-me seguro, era uma situação muito confortável. Todos os meus sentimentos se estabilizaram, havia uma paz celestial. Aos poucos reparei em um som, era ele que me transmitia toda a sensação maravilhosa. O canto causava um encanto, um encanto de sereia. Conforme eu ficava ali, a sensação de que eu estava protegido aumentava ainda mais, era como se eu estivesse recebendo um cafuné no colo da Grande Mãe, ou até mesmo dentro de um útero materno.

Ao voltar do exercício, eu estava completamente renovado, meus sentimentos equilibrados e encorajado para continuar a enfrentar as aventuras que a vida nos proporciona. A sensação de que eu não estava só, que alguém ou algo me protegia, era muito forte. Voltei para esta gruta algumas vezes, sempre em momentos de dificuldades, e o resultado sempre foi fantástico. Podemos observar que, para chegar até esta gruta passei por lugares difíceis e complicados, mas é importante sabermos que em qualquer processo, ao passarmos as dificuldades durante o caminho, a chance de chegarmos ou encontrarmos algo sublime é grande.
É durante estes processos que damos a chance de nosso Eu interior nos ensinar, pois tudo o que precisamos, encontramos em nós mesmos.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Quatro Magos Negros

Acordei com os rugidos dos leões que moram enclausurados ao lado da minha casa. Sempre que eles rugem por volta das cinco horas da manhã eu acordo. Os rugidos são tristes, como se fossem lamentações... É incrível como o ser humano é bizarro! Capturar um animal que vive em outro continente e colocar em uma jaula com 20 m²!? É muito egoísmo! Talvez seja uma questão de poder, pra se sentir “o dono,” “o maioral”... Sei lá! O pior ainda é como algumas pessoas se comportam na frente das jaulas... Aí eu fico triste, pois eu sinto como ainda existe ignorância. O ser humano é muito xucro, ainda temos muito que aprender.

Já que eu acordei, fiz um café e resolvi postar o que me ocorreu em uma madrugada da semana passada...
Vi-me em um lugar bege. Não havia nada, apenas esta cor me rodeava. Enquanto eu procurava por algo, fui surpreendido por quatro magos negros vestidos de vermelho.
Rodeado por eles, cada um colocou seu cajado na altura do meu abdômen e o que eu acredito ser o líder, começou a me questionar com tom de ironia:

- Você está tentando manipular energia? Trabalhar com os oráculos? Se envolver com forças, magias? Então veja o que acha disto!

Imediatamente senti uma espécie de vibração muito forte, como se muitas moléculas estivesses se movimentando a bilhões por hora dentro de mim. Começou pelo meu Chakra da Base e foi contagiando todos os outros até chegar ao Chakra da Coroa. Em poucos instantes meu corpo estava aprisionado em um campo de força. Desesperei-me e comecei a pedir ajuda ao Meu Mestre, que me libertou desta situação.

Na realidade, os magos negros estavam me oferecendo poderes caso eu decidisse trabalhar com eles. A idéia foi mostrar que podemos adquirir fortes poderes independente da conduta moral, e é justamente aí que entra a diferença entre conhecimento e sabedoria. Podemos ter conhecimento, mas somente o sábio é capaz de usar conhecimento com sabedoria. O sábio trabalha o seu conhecimento com amor.

Apesar de eu não ter entendido no momento a realidade por qual eu estava passando, durante o dia que se seguiu Meu Mestre me explicou o fato ocorrido. Os magos negros estavam tentando me convencer de que eu poderia me juntar a eles e até mesmo me tornar tão forte quanto eles, porém o meu medo me salvou! Tinha mesmo percebido que a força que me rodeava não era sublime, tanto é que fiquei assustado.

De agora em diante ficarei mais experto com minhas aventuras fora do corpo, pois já tenho certeza que em muitos momentos eu serei testado.
Poder e egoísmo não combinam.

O caminho do peregrino é cheio de ciladas!

Luz na mente, paz no coração e energias positivas sempre!

quinta-feira, 2 de julho de 2009

O inferno não é aqui.

Muitos falam que a Terra não é um lugar bom, inclusive há os que dizem que o inferno é aqui mesmo. Porém, aqui na Terra temos a possibilidade da escolha, ou seja, somos capazes de escolher o que queremos para nós neste mundo material, conforme nossas limitações, é claro. O que muitos desconhecem ou até mesmo esquecem, é que sempre haverá a lei universal da Ação-Reação e é aí que a vida terrena pode se transformar literalmente em um inferno.

Durante o sono, temos a capacidade de nos desprendermos de nosso corpo material e viajarmos espiritualmente. Em alguns casos temos apenas sonhos, mas em outros entramos em conexão com outros planos. Tudo ocorre conforme nossa vibração ou freqüência, e assim podemos ir para algum lugar sublime ou não.

Com estas experiências sempre tiramos algum aprendizado, basta prestarmos atenção nos fatos, pois eles sempre nos dirão algo. É claro que para um principiante, nada acontece maravilhosamente bem. Como diz o meu pai, para nos tornarmos grandes temos que começar por baixo, e no plano espiritual ocorre da mesma forma, nada vem de graça.

Foi durante estas experiências que eu soube que realmente o inferno não é aqui...
“Creeeeedo! Que cheiro horrível!” Estas foram as primeiras palavras que eu pensei quando eu acabei de chegar em lugar que chamo de Umbral , pois até agora não sei exatamente onde eu estava.
“Nossa, esse cheiro de novo!” Foi o que eu pensei quando fui parar neste mesmo lugar pela segunda vez.
“Não acredito...” Foi o que eu pensei na terceira vez...
Tive a oportunidade de ir para este Umbral três vezes, em todas as vezes passei por apuros. Foi uma das experiências mais horríveis que já passei. Muitas sensações misturadas: pânico, medo, nojo, desespero, angústia, pavor. O único sentimento bom era o de esperança. Esse não desapareceu em nenhum momento, foi a minha sorte...
Nas três experiências a história foi praticamente idêntica. Eu cheguei neste lugar e a primeira coisa que me chamou a atenção foi o cheiro. Nem deu tempo de ver nada, o cheiro medonho foi a primeira coisa que chamou minha atenção, e já era o suficiente para eu desejar sumir daquele lugar.
Tinha a impressão de que eu estava em um telhado de algum edifício muito alto, pois via o chão e mais nada ao meu redor. Após alguns passos percebi que estava rodeado por seres. Estes seres possuíam a aparência de humanos, mas eu não conseguia ver seus rostos. Todos estavam cobertos com uma espécie de trapos grossos e muito sujos. Percebi que o cheiro medonho vinha destes seres que pareciam estar em estado de decomposição, necrose.
O que já era péssimo passou a ficar pior. Logo que tomei consciência desta situação, todos os seres também passaram a perceber minha presença e começaram vir em minha direção, e eu mais do que nunca, comecei a fugir. Corria desesperadamente para todas as direções possíveis e não conseguia encontrar nenhuma saída. Em todas as direções em que eu me arriscava, encontrava mais destes seres, afinal de contas eu estava no mundo deles, portanto o estranho era eu.
Passei por um perrengue lascado, pois na época em que ocorreram estes fatos, eu ainda tinha pouco estudo a respeito de projeções astrais, e em nenhum momento sabia que podia pedir auxílio para meu Guia, Anjo Protetor, ou qualquer outra entidade de Luz que pudesse me socorrer.
Acredito que aqueles seres achavam que a minha energia era melhor do que a deles e eles desejavam ajuda, mas nunca ia dar conta do recado, pois a situação era preta. Chegou a passar pela minha cabeça que eles poderiam até ter me visto como um deus, um salvador, sei lá... Só sei que o negócio foi bravo.
Em todas estas três vezes, quando eu consegui me livrar da situação, o processo da volta era sempre o mesmo: uma sensação de estar só, transitando em uma madrugada fria, em algum lugar bem barra pesada de alguma metrópole. Aos poucos eu ia chegando em lugares que transmitiam menos perigo e... Eu acabava acordando no meio da madrugada em meu quarto escuro. A sensação de pânico ainda era grande e eu demorava muito tempo para criar coragem de ir até a cozinha para tomar um copo d’água. Chegava a ficar com medo de pegar no sono novamente e ir parar novamente neste Umbral.
A partir destas experiências tomei a decisão de procurar melhorar meus pensamentos no dia-a-dia, pois gostaria de visitar lugares mais tranqüilos. Nunca mais visitei este lugar depois da “terceira vez”, e rezo para que isso nunca mais aconteça.
Em muitas vezes, sofremos para aprender, afinal de contas aprender não é uma tarefa fácil. Mas mesmo assim, a Terra está longe de ser um inferno... Há muitos lugares piores...




Caminho

"Meu destino depende de mim, não de Deus. Os estrategistas não acreditam em predestinação, ensinam pessoas a examinar suas situações e ...