segunda-feira, 16 de julho de 2007

Firmeza de Espírito

Certo dia, estava eu conversando com a Persona Camará, e ela me fez observar um fato: A diferença que há nas relações "Homem x Cachorro" e "Homem x Gato". A relação que o cachorro tem para com o homem é de um verdadeiro discípulo. Tudo o que o homem faz, o cachorro está ao seu lado, sempre babando para o seu dono. Nesta relação o Homem acaba por fazer o papel do verdadeiro sabichão.

Por outro lado, na relação "Homem x Gato" ocorre algo bem diferente. O gato por ser autônomo faz o papel de mestre, é livre e independente. O homem passa a ser apenas um ser que está em sua volta e talvez seja este o motivo de encontrarmos muitas pessoas que dizem odiar gatos. Os gatos as fazem perceber que não possuem o controle e que há "alguém" superior a ela, inclusive que é "irracional", o que acaba por ser irônico. Não digo que o gato é superior ao homem, mas os felinos possuem a capacidade de demonstrar autonomia, nos fragilizando muitas vezes.

Pois bem, passei a me interessar pelo assunto e descobri algo curioso. Os egípcios adoravam felinos, pois acreditavam que eles conseguiam enxergar algo além da percepção humana, uma "outra dimensão". Isto incluía uma significativa percepção em relação aos sentimentos humanos e justamente por isto, colocavam em frente aos templos enormes felinos, um em cada lado da porta de entrada, cuja finalidade era de que para qualquer pessoa que fosse entrar no templo, teria que passar pelos animais. Caso os felinos percebessem que não havia uma boa intenção, eles a devoravam.

Se este fato é verdadeiro eu não sei, mas por fim acaba por se tornar irrelevante. O que realmente importa é que através de uma reflexão pude perceber o tamanho da coragem que os egípcios tinham ao passar entre os felinos. Isto fazia com que a fé do indivíduo se tornasse muitíssimo forte, ou seja, exercitavam a FIRMEZA DE ESPÍRITO e é exatamente isto que nos falta hoje para enfrentarmos nossos problemas cotidianos.

A consequência do exercício da fé é a FIRMEZA DE ESPÍRITO. Isto faz com que tenhamos coragem e força para vivermos o nosso dia-a-dia e no final das contas sermos aprovados nesta escola chamada Terra. Quanto mais firmes formos, mais longe iremos.

Para se exercitar a fé devemos ser disciplinados, assim aos poucos nos tornaremos firmes e poderosos. A coragem sempre é muito bem vinda, o medo é necessário para pensarmos melhor e a covardia de nada nos serve.

2 comentários:

Eduardo Burato disse...

Grande camarada!

Uma vez, eu e um amigo analisamos o caso "cães e gatos". rs
A conclusão foi que devemos aprender 2 coisas com esses nossos irmãos menores: os cães no ensinam como devemos ser (companheiros, corajosos e humildes) e os gatos, como devemos viver (independentes, sem preocupações desnecessárias, com prazer pela vida e satisfeitos com nós mesmo).

Um grande Abraço!

Persona Rocha disse...

Mago Burato,

Ótima observação. Confesso que no texto não enfatizei as qualidades caninas.

Paz e Bem!